Visitas on line

Tradutor:

sábado, 30 de outubro de 2010

Halloween ou Saci Pererê?!!!!


O brasileiro tem  a mania de  valorizar a cultura alheia  e negligenciar a própria. Ontem estive em um dos condomínios mais chiques de São Bernardo, e como todos os anos, muitas casas estavam sendo decoradas para o Holloween. Quanta idiotice! Aposto  que as crianças que lá vivem nunca ouviram falar do Saci, da Mula sem Cabeça, da Cuca e de outros personagens do folclore  e lendas brasileiras. Coitadinhas, nem bem nascem  já estão contaminadas com Halloweens da vida americana!
Não sou xenófoba, mas defendo a ideia, de que a criança  brasileira conheça primeiramente sua cultura e depois reverencie a alheia. Que também, antes de aprender o idioma alheio saiba o próprio e o domine. 
Um povo se torna escravo do outro quando destrói as suas raízes, negligencia sua cultura, põe por terra seus valores, desdenha suas origens e suas ideias.É isso que nós brasileiros fazemos diuturnamente.
Vamos e convenhamos! Qual é o  povo que se preocupa em estudar a língua do outro, a literatura do outro, antes de aprender a sua? Não vejo isso em outros países, só  conosco. Num olhar bem superficial,o que vemos? Crianças de todas as classes sociais  estudando a língua inglesa.!Pergunta! E o português? É só o da padaria que ela conhece? Coitadas dessas crianças, mas mais coitados são os da classe desprivilegiada(eufemismo) para não dizer pobre, miserável.Esses  perdem sete anos de suas vidas nas escolas do Estado estudando inglês para depois ter um   final irônico para não dizer trágico.Quando se dão conta , tornaram-se analfabetos bilingues. Isso é de doer!!!!


O mesmo acontece com a literatura no Ensino Médio(colegial). Vamos acabar com essa coisa de ficar tirando o chapéu  para o outro,e procurarmos conduzir nosso país pelos nossas próprias pernas, mesmo que uma já tenha sido amputada. Quero que fique claro que não sou contra a estudar idiomas, isso eu acho excelente, mas sou  contra  essa  reverência à  cultura  alheia, com tanto louvor, em detrimento a própria. Conhecer  línguas e culturas, respeitá-las é obrigação, incorporá-las é opção. Aqui fica a pergunta:quando vamos nos livrar deste complexo de côlonia que está marcado a ferro e fogo em nossas almas? Concluo! Nunca! Pois o que vejo, é tudo se incorporar cada vez mais,como cola grudenta que ninguém consegue se livrar.


Numa análise bem superficial, fica o questionamente do por quê dessa rejeição do  brasileiro pelo seu folclore, lendas e mitos?Talvez essa rejeição (inclusive pelo Saci Pererê), esteja pautada  no  nosso inconsciente de se ver o igual e não aceitar.O nosso povo ainda nem percebeu, mas intui , que teve ou está tendo progressivamente  suas bases  amputadas, continua andando numa perna só, com o chapéu na mão. Não pode nem chutar, porque pode cair. Ninguém cai quando  já está de quatro(digo três), porque é assim que nós brasileiros nos encontramos na atual conjuntura em relação às nossas raízes culturais. 
É melhor fazer um esforço enquanto tem uma perna só,  um gorro e um cachimbo, porque ainda dá tempo. Eu sugiro aos brasileiros que no dia 31, o prato seja o Halloween e o anfitrião seja o Saci Pererê assessorado por toda a sua turma: Mula Sem Cabeça, Curupira,Negrinho do Pastoreio ....
Abaixo o Halloween e viva o Saci Pererê, que pertence a nossa cultura! 

sábado, 23 de outubro de 2010

Quando não tenho nada,tenho Cora Coralina sempre...





Quem acompanha o meu blog desde o início,sabe que ele foi inaugurado com a vida e  obra de Cora Coralina. Desde que a conheci,tornou-se uma das minhas preferidas.Admiro-a  por ter sido o que foi, uma mulher ímpar,muito a frente de sua época. 
Nesta semana,tivemos uma surpresa na escola, ganhamos de presente um kit com três livros. Todas as caixas estavam fechadas, e tivemos que escolher uma. Para a minha surpresa, escolhi a que continha : Cora Coralina, Toda Mafalda, Os passos perdidos. Os dois primeiros eu conheço e adoro, inclusive Mafalda, que é inteligentíssíma, o terceiro só conheço de nome. 
Mas para encurtar a história, todos sabemos,o porquê desses presentes (governo ajudando editoras,cá entre nós), interesses, é claro! Interesses ou não, eu fiquei super feliz com o presente, e para homenagear mais uma vez a minha poetisa, aqui transcrevo um poema lindíssimo dela, que é um hino à Mãe Terra.  


O CÂNTICO DA TERRA

Eu sou a terra,eu sou a vida.
Do meu barro primeiro veio o homem.
De mim veio a mulher e veio o amor.
Veio a árvore,veio a fonte.
Vem o fruto e vem a flor.

Eu sou a fonte original de toda a vida.
Sou o chão que se prende à tua casa.
Dou a telha da coberta do teu lar.
A mina constante de teu poço.
Sou a espiga generosa de teu gado
e certeza tranquila ao teu esforço.
Sou a razão de tua vida
De mim vieste pela mão do Criador,
e a mim tu voltarás no fim da lida.
Só em mim acharás descanso e Paz

Eu sou a grande Mãe universal.
Tua filha,tua noiva e desposada.
A mulher e o ventre que fecundas.
Sou a gleba, a gestação, eu sou o amor.

A ti, ó lavrador,tudo quanto é meu.
Teu arado,tua foice,teu machado.
O berço pequenino de teu filho.
O algodão de tua veste
e o pão de tua casa.

E um dia bem distante
a mim tu voltarás.
E no canteiro materno de meu seio
tranquilo dormirás.

                   (Cora Coralina-Coleção Melhores Poemas)
                  

Os outros dois presentes também foram bem-vindos!!Presentes são sempre  bons,ainda mais quando são livros...

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Dia do professor

Lembro-me dela com muito carinho, pois passou pela minha vida de forma suave , mas deixou marcas profundas. Marcas essas, porque soube aprender, ser amiga e muito mais. O que a tornou ímpar não foram meros detalhes, foram muito mais que isso. Sabia o que queria, e se empenhava em fazer tudo com perfeição. O tom suave da voz,o carinho com os demais, o respeito por tudo, o compromisso com a aprendizagem, a dedicação, o empenho tudo a compunha integrando todas as partes para tornar-se una. Ainda tenho em minha mente a imagem da primeira vez que se postou perante a classe para o trabalho que seria apresentado.Seu nervosismo deixou sua voz embargada,porque tinha um nível de exigência muito alto, além da conta , para que tudo saísse perfeito.Seu medo não a impediu de vencer o desafio, e se apresentar com  brilhantismo, o que levou à classe que ainda não a conhecia a admirá-la e respeitá-la.
Durante muito tempo esteve comigo, e sempre primou  pela simplicidade e conhecimento, características de almas nobres. Nunca se negava a nada, estava sempre pronta para explicar e ajudar os que tinham mais dificuldades. Esteve a frente de muitas atividades e sempre se destacou pelo esforço, persistência,obstinação em suplantar dificuldades e vencer desafios. Criou na escola um jornalzinho que levava o nome de “Sempre Alerta”, talvez esta ainda seja a sua postura na vida. Após ter concluído o ensino médio não sei que caminho seguiu, não sei que rumo tomou , espero que seja aquele que desejou e trabalhou para conseguir.
Uma vez que alunos nunca retornam é comum não sabermos se foram bem sucedidos ou fracassaram.Sentimo-nos sempre incompletos com a sensação que o trabalho nunca terminou. Em nossas memórias ficam apenas vagas lembranças de alguns que sobressaíram aos demais, os outros se diluem no tempo.
A Daniele Aparecida Rodrigues, esse é seu nome, é uma das que não se perdeu no tempo, persisti até hoje, porque alunos(as) como ela são raros. Não posso afirmar que não há, mas posso dizer que em tempos de hoje,é muito difícil encontrá-los.
O que temos é um amontoado de jovens que têm como postura a má educação, desrespeito, falta de caráter, oportunismo e muito mais. A concorrência entre eles se instala na disputa de quem é o pior.Todos se atropelam nesta maratona para chegar ao pódium(pódio) da mediocridade, estar no topo e ganhar o troféu da imbecilidade. Na corrida da sala de aula, se esmeram nas competições de quem tem o caderno mais sujo, mais pichado, de quem fala mais alto, de quem afronta mais, de quem agride com mais veemência, quem fala o palavrão mais escabroso, quem destrói com mais eficácia a carteira, a porta, o banheiro e assim por diante. Se plantam na porta da escola para perturbar as aulas, com sons em volumes altíssimos, comprar o baseado, riscar carros,conquistar garotas, tocar fogo nos cadernos dados pelo governo.Jamais dão frutos, apenas se apodrecem como sementes da vida mesmo antes de germinar,crescer e florescer. Mas a Daniele foi diferente, ou soube ser diferente em todos os aspectos, e tenho certeza que continua sendo, esteja onde estiver, marcou a vida de muitas pessoas e talvez continue marcando.
Lembro-me do projeto “Caderno de Redação”e de suas redações, como eram belíssimas!Se empenhava tanto em fazê-las com perfeição que ainda consigo visualizar as imagens que descrevia, ou as narrativas que fazia. Dentre tantas, lembro-me de um texto em que descreveu suas sapatilhas de balé. Posso visualizá-las nitidamente, ainda hoje, penduradas atrás da porta, de cetim rosa, desgastada pelo uso, na tentativa em conseguir a perfeição na dança.
Não me canso de dizer que foi ímpar, tanto o foi que hoje no Dia do Professor dediquei uma parte de meu tempo para homenageá-la porque foi exemplo para os colegas de classe. Espero que não tenha seguido a carreira de professora, pois se o fez deve sentir-se decepcionada como eu por antever UM FUTURO SEM EDUCAÇÃO ou uma EDUCAÇÃO SEM FUTURO.
Ao homenageá-la neste texto, o meu desejo é que um dia ela se encontre aqui, e se reconheça. Quero que saiba que ainda sinto orgulho por ter sido sua professora.Sinto saudades, porque hoje tenho carência no meu cotidiano escolar de alunas(os) como ela. Eles existem, mas são raros, dificilmente se mostram e quando o fazem são discriminados. E na juventude, lidar com este sentimento é traumático.
Os troféus para aqueles que exercitam a arte de ensinar, se resumem em lembranças de alunos ou alunas como a Daniele. Sinto-me premiada por ter recebido muitos troféus  como este durante a minha vida profissional. Mas ao mesmo tempo sinto-me penalizada pelos professores que hoje estão iniciando sua carreira com tanto idealismo mas terminarão seus dias com mãos e mentes vazias, como já se sentem, e estão hoje.

               “EDUCAÇÃO! PARA POUCOS SOLUÇÃO, PARA MUITOS! ENGANAÇÃO”






sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Sugestão de filme para o feriadão



        Nossas atitudes  são tão mecânicas que jamais paramos para refletir  sobre elas.Quando o fazemos não temos noção exata da  dimensão  de  como  tudo é  importante.O que fazemos ou dizemos pode tocar alguém e mudar o rumo das coisas. 
        No filme, A cinco pessoas que você encontra no céu, o personagem principal nos dá  a lição que precisamos  para aprender a valorizar, não só a vida presente, mas as implicações na futura. Eddie, um  mecânico simples, que trabalha num parque de diversões  é vitima de um acidente, no dia de seu aniversário, quando completa  83 anos. Morre ao tentar salvar uma menina. É nesse instante que tudo começa. À partir daí  ele  toma consciência da vida e de sua importância nela. A vida que pensara ter sido inútil , cheias de frustrações mostra-se sobre todas as nuances numa intrincada teia de ligações e a autonomia  que ele tem. O quanto os pequenos gestos são grandes, sendo a lealdade e o amor a maiores lições. Ninguém é tão pequeno que não consiga  tocar  nem que seja de leve a vida dos outros e mudar destinos, essa é a mensagem. Vale a pena assistir,eu recomendo.  

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Só pra descontrair ...!

       Este blog não é de piadas, mas como estou enfadada de tanta marola sobre as eleições, aqui vai algumas, também, sobre politicos,  pra  ler e desanuviar, como diria minha avó.


No aeroporto  de Recife estavam aumentando a pista para  que pudesse receber aviões de grande porte. Uma amiga minha, quando foi lá passear com a mãe, notou as reformas e perguntou:
- Mãe, por que estão aumentando a pista?
- Para DC-10, filha.
Minha amiga olhou espantadíssima para a mãe e perguntou:
- De uma vez só?!
                                                  ( Flavia Pedro,SP)

Como orador numa cerimonia de coleta de fundos para os Jogos  Olimpicos, um político pediu ao autor do discurso que preparasse algo com impacto, capaz de motivar os ouvintes.Dando uma olhada no texto  na  manhã do evento, o político berrou:
- Ma que tipo de bobagem é essa? Você quer que eu comece o discurso dizendo "Oh,Oh,Oh,Oh,Oh"?!
- Não,não - respodeu o assistente. - Acho que o senhor está lendo o símbolo da Olimpíadas.



O garotinho estava no topo da colina, olhando todo contente a cidadezinha lá embaixo.Um padre sorrindo, passou por ele e disse:
- Reparando na vermelhidão do céu! - Que bom menino! Não pensa só em futebol e televisão, também sabe apreciar um crepúsculo.
- Não é crepúsculo nenhum - respondeu o garotinho, - é minha escola pegando fogo!
                                                                                                  ( Frits Herd)

O candidato bateu à porta de uma casa e pediu ao dono que votasse nele porque o governo estava minado pela ganância,corrupção e desperdício.
- E você quer lutar contra isso?- perguntou o homem.
- Tá brincando? - disse o canditato.- Estou a fim, mas é de entrar nessa boca!
                                                                                 Jay Trachman,em One to One


 (Acho que nós já conhecemos isso, não é? rsrsrs)                                                                                 
Related Posts with Thumbnails